Boletim Carvalhaes N°50 de 13/12/2019

cup-of-coffee-1280537_1280

FONTE: ESCRITÓRIO CARVALHAES.

Santos, 13 de dezembro de 2.019 – ano 86 – número 50

O mercado de café apresentou-se firme e comprador, com as cotações em alta no decorrer de toda a semana. Os contratos de café na ICE Futures US em Nova Iorque trabalharam em forte alta todos os dias até o final da manhã de hoje (horário de Brasília), sexta-feira, quando viraram para baixa. Perto do encerramento a baixa se acentuou e os contratos com vencimento em março próximo fecharam hoje em queda de 635 pontos. Mesmo com o recuo de hoje, esses contratos, para março, somaram 610 pontos de alta na semana.

Desde o último dia 17 de outubro, quando os contratos para março haviam fechado a US$ 0,9640 por libra peso, até ontem, quando fecharam valendo US$ 1,3725 por libra peso, a alta acumulada nesses contratos somava 4085 pontos. Os operadores vinham se perguntando se não haveria um “respiro”, uma baixa técnica em algum momento. Aparentemente foi o que aconteceu hoje.

No decorrer da semana o mercado físico brasileiro esteve sempre firme e comprador para todos os padrões de café, mas principalmente com grande procura pelos arábicas de boa qualidade a finos. Tivemos altas todos os dias para os arábicas em geral. Os mais finos subiram mais. Os cafeicultores continuam cautelosos, mas venderam aproveitando a forte alta. Muitos
já aguardam o início do próximo ano para colocar novos lotes no mercado.

Lotes de arábica riados e rio estão com deságio grande em relação aos de melhor qualidade. Lotes de café com bebida rio chegaram aos R$ 400 e nos mais limpos e preparados já passaram um pouco dos 400. Houve melhora também nas bases de preços de escolhas e cafés fracos destinados a ligas para o consumo interno.

Com as exportações brasileiras de café em novembro último, divulgadas esta semana, o Brasil já soma em onze meses 37 449 927 scs embarcadas no ano de 2019. Esse total suplanta o recorde anual brasileiro de exportação de café, de 2015, quando embarcamos em 12 meses 37 018 983 scs. Com as exportações deste mês de dezembro deveremos somar em 2019 mais de 40 milhões de sacas exportadas. O consumo interno está acima de 20 milhões de sacas por ano e em 2019 desaparecerão de nossos estoques mais de 60 milhões de sacas de café. Chama a atenção o fato dos estoques nos países
consumidores não estarem subindo apesar dos embarques recordes brasileiros. Sinal que o consumo mundial continua crescendo e também de que a fatia de cafés brasileiros no consumo mundial está a cada ano maior.

A PepsiCo começará a vender a Pepsi Café nos Estados Unidos. A bebida combina o sabor do café e da cola e quase dobra a quantidade de cafeína em relação a uma Pepsi comum. O produto será vendido em dois sabores, original e baunilha.

A Pepsi Café é mais um produto lançado na tentativa de responder às mudanças de preferências dos consumidores em bebidas. A empresa enfrenta pressão sobre as vendas diante da queda do consumo de refrigerante açucarado e das novas opções de concorrentes. A rival Coca-Cola vem avançando no mercado de café em lata depois da aquisição da rede britânica de cafés Costa por US$ 5,1 bilhões. A empresa vende a Coca-Cola Plus em dezenas de mercados fora dos EUA.

Todd Kaplan, vice-presidente de marketing da Pepsi, disse que a empresa conhece o potencial de misturar cola e café há anos. Ele disse que os consumidores estão à procura de bebidas que forneçam energia e, ao mesmo tempo, uma oportunidade de prazer (fonte: Bloomberg).

O CECAFÉ – Conselho dos Exportadores de Café do Brasil informou que no último mês de novembro foram embarcadas 3.113.846 sacas de 60 kg de café, aproximadamente 20 % (789 206 sacas) menos que no mesmo mês de 2018 e 15% (550.756 sacas) menos que no último mês de outubro. Foram 2.596.629 sacas de café arábica e 204.694 sacas de café conilon, totalizando 2.801.323 sacas de café verde, que somadas a 311.873 sacas de solúvel e 650 sacas de torrado, totalizaram 3.113.846 sacas de café embarcadas.

Até dia, 12 os embarques de dezembro estavam em 502.505 sacas de café arábica, 20.354 sacas de café conillon, mais 12.227 sacas de café solúvel, totalizando 535.086 sacas embarcadas, contra 609.787 sacas no mesmo dia de novembro. Até o mesmo dia 12, os pedidos de emissão de certificados de origem para embarque em novembro totalizavam 1.483.902 sacas, contra 1.438.475 sacas no mesmo dia do mês anterior.

A bolsa de Nova Iorque – ICE, do fechamento do dia 6, sexta-feira, até o fechamento de hoje, dia 13, subiu nos contratos para entrega em março próximo 610 pontos ou US$ 8,07 (R$ 33,14) por saca. Em reais, as cotações para entrega em março próximo na ICE fecharam no dia 6 a R$ 684,44 por saca, e hoje dia 13 a R$ 711,15. Hoje, sexta-feira, nos contratos para entrega em março a bolsa de Nova Iorque fechou com baixa de 635 pontos. No mercado paralisado de hoje, são as seguintes cotações nominais por saca, para os cafés verdes, do tipo 6 para melhor, safra 2019/2020, condição porta de armazém:

  • R$600/630,00 – CEREJA DESCASCADO – (CD), BEM PREPARADO.
  • R$580/600,00 – FINOS A EXTRA FINOS – MOGIANA E MINAS.
  • R$550/570,00 – BOA QUALIDADE – DUROS, BEM PREPARADOS.
  • R$500/530,00 – DUROS COM XÍCARAS MAIS FRACAS.
  • R$450/480,00 – RIADOS.
  • R$400/420,00 – RIO.
  • R$400/420,00 – P.BATIDA P/O CONSUMO INT.: DURA.
  • R$390/400,00 – P.BATIDA P/O CONSUMO INT.: RIADAS.
  • DÓLAR COMERCIAL DE SEXTA-FEIRA: R$ 4,1070 PARA COMPRA.
Compartilhar:

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *