CONAB - Conjunturas da agropecuária - 16 a 20/11/20

cafe-google-660x330

MERCADO EXTERNO

Segundo dados do USDA, a produção colombiana de café deve ficar estável, em 14,1 milhões de sacas, em um cenário de La Ninã moderada. O resultado foi atribuído a um replantio de cafeeiros resistentes à ferrugem, que tende a se disseminar com o tempo úmido. Segundo a Federação dos Cafeicultores (Fedecafe), 83% da área total da Colômbia foi renovada com essas variedades.

Essa notícia causou uma grande mudança nos preços, que estavam em grande aumento no início da semana na bolsa de Nova Iorque (ICE), saindo de 109,25 centavos de dólar por libra-peso para 121 centavos de dólar por libra-peso devido ao furacão Iota, e despencaram na sexta-feira, indo
para US$115,5¢/lb. Apesar disso, o preço apresentou forte alta na semana, mas inicia a semana pressionado para baixo.

No Vietnã, a chuva deu uma amenizada, mas a colheita ainda não se iniciou em muitos locais e, onde se iniciou, ainda está muito baixa. Com estoques baixos e falta de oferta, a pressão sobre os preços é de aumento.

Nesse cenário, a cotação futura do café robusta segue trajetória de alta na bolsa de Londres, devido à baixa oferta desse tipo de grão conforme explicado no parágrafo anterior, e traders de países que poderiam aumentar a oferta, como a Indonésia, estão segurando o produto apostando na alta nos próximos meses.

MERCADO INTERNO

Com quase 70% da safra negociada, o mercado segue fraco, com a negociações pontuais e quem tem condição de segurar o produto em estoque está o fazendo, principalmente após a quinta-feira, quando o mercado virou para queda.

O cenário de comercialização é parecido para o café conilon, apesar de o momento ser de elevação de preços já há algumas semanas.

Segundo o Inmet, a previsão segue de chuvas em Minas Gerais até o meio da semana, com a chegada de uma frente fria, melhorando a situação que era complicada anteriormente.

As exportações em novembro, com os dados até o dia 19, apresentavam um total de 1.296.139 sacas de café arábica, 166.487 sacas de café conilon e 46.091 sacas de café solúvel embarcadas. Esses números são levemente superiores aos valores do mesmo período do mês de outubro, mostrando que o café segue com a exportação elevadíssima e pode bater o recorde de exportação do ano passado, mesmo com a pandemia reduzindo um pouco as exportações de café no início do ano.

DÓLAR

Dólar bastante instável na semana, caindo para R$5,29 no início da semana, com boas notícias de vacinas contra o covid19 e grande entrada de investidores estrangeiros, mas se recuperando ao final dela, fechando a semana em queda de 1,46%, cotado a R$5,39.

Esse aumento foi causado pela incerteza acerca da saúde fiscal do Brasil, que deve demorar ainda mais a se recuperar devido aos efeitos da epidemia sobres os gastos sociais.

A elevação do dólar praticamente aconteceu junto com a grande queda no café arábica no exterior e não suficiente para manter o produtor com o mesmo preço de venda em reais.

DESTAQUE DO ANALISTA

Pressão de queda nos preços no início da semana, com os dois principais produtores (Brasil e Colômbia) dando sinais de que a redução da produção pode ser menor que a esperada anteriormente.

Compartilhar:

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *