14ª Edição Especial dos Melhores Cafés do Brasil Safra 2017 celebra melhores cafés do país

Evento realizado em São Paulo integra indústria e produtores, sagrando a 3 Corações campeã nas categorias Diamante, Ouro e Especial

14-edição-01
Paulo de Tarso de Lima, do grupo 3 Corações, recebe a placa do presidente Silveira

Conquistando as premiações nas categorias Diamante, Ouro e Especial o Grupo 3 Corações sagrou-se o grande campeão da 14ª Edição Especial dos Melhores Café do Brasil – Safra 2017. O Grupo foi o que mais investiu em qualidade: um total de R$ 33.000,00, tornando-se campeão na Categoria Diamante. A empresa também arrematou o lote de seis sacas do produtor Antônio Rigno de Oliveira, de Piatã (BA), pagando R$ 2.500,00 por saca, totalizando R$ 15.000,00 – maior valor de aquisição por saca, entre os lotes de café Natural e Cereja Descascado, o que rendeu o título de campeã na categoria Ouro. Também arrecadou as duas sacas do café campeão do 14º Concurso, produzido por Letícia Conceição Quintela de Alcântara, de 19 anos, na Fazenda Divino Espírito Santo, também de Piatã (BA), por R$ 9.000,00 cada. Este feito tornou a empresa campeã também da categoria Especial, que corresponde ao maior lance dado a um microlote (composto de duas sacas, apenas).

O evento, realizado no dia 24 de abril, em São Paulo, celebrou não apenas os títulos entregues a 3 Corações, também reuniu importantes players do segmento para comemorar os cafés especiais. A cafeteria carioca Armazém do Café arrematou duas sacas da produtora Sebastiana de Oliveira Faria, 4ª colocada no Concurso, e duas sacas do produtor Eufrásio Souza Lima, 5º colocado, num total de R$ 6.800,00.

Niwton Castro de Moraes, assessor especial de café da secretaria de agricultura de Minas Gerais, destaca a importância desse concurso para incentivar os produtores que trabalham na busca de cafés de alta qualidade

O lançamento contou com a presença de Niwton Castro de Moraes, assessor especial de café, da Secretaria de Agricultura de Minas Gerais, de Lucas Tadeu Ferreira, da Embrapa Café, de Carmen Lúcia Chaves de Brito, presidente da BSCA – Associação Brasileira de Cafés Especiais, de Aldir Alves Teixeira, além de diversos industriais, representantes da imprensa e formadores de opinião.

Produtores, industriais, torrefadores e cafeterias

Também participaram as cafeterias, torrefações e sites especializados na venda de cafés de qualidade: Café Monte Líbano, Café Cajubá, Café Rancheiro, Barisly Café, BonBlend Café, grãocafé.com, Santo Grão, Hachimitsu, Café com História, Prelúdio Cafés Especiais, Villa Januária e Dengo Cacau e Café.

A edição soma-se à diversas outras ações da ABIC que visam incentivar a oferta de cafés de maior qualidade ao consumidor, com uma grande diversificação de opções, buscando sempre abrir novos mercados. “Este evento nos alegra por reunir produtor e indústria na celebração do café com qualidade – que tem sido cada vez mais requisitado pelo consumidor. Por isso, queremos nos aproximar cada vez mais dos produtores, por meio de eventos como este e outras ações desenvolvidas pela ABIC”, disse Ricardo Silveira, presidente da ABIC.

Todos os cafés lançados nesta edição estarão à disposição dos consumidores no comércio varejista, nos sites e cafeterias das próprias empresas participantes, em embalagens sofisticadas, adesivadas e identificadas, ofertadas em diversas opções de tamanho e formas de preparo, como grão, pó, espresso e cápsulas.

Ciclo do Concurso

O concurso, que une produtores, industriais, cafeterias e varejo, visando ampliar o mercado de cafés de qualidade, tem a participação de lotes inscritos pelos organizadores dos certames estaduais do Paraná, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais e São Paulo.

A avaliação é dividida em três fases: um júri técnico, com um peso da nota de 70%, uma verificação da sustentabilidade da propriedade rural, com peso de 15%, e um júri popular, com 15%.

O início das avaliações aconteceu no dia 12 de dezembro de 2017, quando foi realizada a etapa do júri técnico, no laboratório do Sindicato das Indústrias de Café do Estado de São Paulo. Selecionando 11 lotes finalistas, após avaliação da Qualidade Global conforme metodologia do PQC – Programa de Qualidade do Café, atribuiu-se uma pontuação de 0 a 10 pontos para cada um.
O júri técnico foi composto por: Eduardo Carvalhaes, Gina Maria Bueno Cardozo, Kátia Cipiolli, Izabela Cristina do Monte e Camila Arcanjo Teles.

O microlote da cafeicultora Letícia Alcântara, produzido na Fazenda Divino Espírito Santo, no município de Piatã, na Bahia, recebeu a maior avaliação do grupo técnico: 8,62 pontos. Em segundo lugar, ficou o lote de café cereja descascado produzido por Antônio Rigno de Oliveira em São Judas Tadeu, também em Piatã, Bahia, com 8,53 pontos. E em terceiro, mais um microlote: o do produtor Manoel Protázio de Abreu, do Sítio Forquilha do Rio, de Dores do Rio Preto, Espírito Santo, com 8,52 pontos.

No quesito sustentabilidade são avaliados os itens sobre condições de trabalho, a não existência de trabalho escravo e infantil, além da rastreabilidade, identificação dos lotes, registros e georreferências, entre outros.

O júri popular, iniciativa inédita criada pela ABIC em 2015, inclui a opinião e percepção sensorial de pessoas que gostam de café na escolha dos melhores grãos do Brasil. Dividido em etapas regionais, nos mesmos estados participantes (PR, BA, ES, MG e SP), leva em consideração as diferenças de hábitos e costumes dos consumidores de cada localidade. O júri popular foi coordenado por Cristiane Monteiro (ABIC) e Camila Arcanjo Teles (Sindicafé-SP).

O leilão dos 11 lotes finalistas do 14º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café, que aconteceu entre os dias 30 de janeiro e 08 de fevereiro, vendeu 40 sacas, arrecadando o valor total de R$ 73.139,00. O valor médio por saca ficou em R$ 1.828,48, mais do que o dobro do preço mínimo estipulado, de R$ 893,00 a saca (equivalente a 70% acima da cotação da BMF/Bovespa de 26/01/2018).

Produtora campeã

Observada pelo seu pai, Michael Freitas de Alcântara, Letícia em suas breves palavras agradece a premiação, e diz: “Espero que seja apenas o começo”

Com apenas 19 anos, Letícia Conceição Quintela de Alcântara comemorou a vitória do prêmio de melhor café anunciando que este é apenas o começo. Estudante de Engenharia de Produção, ela afirma que sua infância foi nos cafezais. “A fazenda é do meu pai, cresci vendo-o cuidar da plantação e fui aprendendo tudo com ele. Espero seguir seus passos, usando os conhecimentos adquiridos na faculdade para melhorar ainda mais”, comenta ela que, atualmente, estuda em Salvador, mas sempre retorna para a propriedade para ajudar a família.

Ao ser questionado sobre quais qualidades tornam o café da Letícia tão especial e merecedor dos investimentos do Grupo 3 Corações, Paulo de Tarso de Lima, diretor Comercial e de Marketing, não precisou pensar muito para responder: “o amor pelo café, passado de pai para filha!”.

MOMENTOS DA EDIÇÃO ESPECIAL MELHORES CAFÉS DO BRASIL

Compartilhar:

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *