Número de cafés certificados tem aumento de quase 50%

Relatório de Pureza e Qualidade da ABIC
04/05/2021
Publicado em

O café é a bebida mais querida do país. De norte a sul, ele está sempre presente na mesa dos brasileiros, faça sol ou chuva. Embora o sabor seja um critério essencial no momento de escolher qual marca adquirir, a qualidade e a pureza também devem ser levados em consideração na hora de escolher os cafés certificados. Dados divulgados pela Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) mostram que os consumidores e os industriais estão cada vez mais interessados pela certificação dos produtos, o que confirma a atenção com a segurança de alimentos como uma tendência no agronegócio café.

Nos últimos três anos, o número de cafés certificados de alta qualidade (Gourmet) sofreu um aumento de 46% e a taxa de crescimento do quadro associativo da entidade chegou a 7,9% em 2020, reflexo de uma indústria mais preocupada em estampar os Selos de Certificação em suas embalagens. Garantir a pureza e  qualidade dos cafés é um trabalho de longa data realizado pela ABIC, sempre  preocupada em alertar os consumidores sobre os riscos de ingerir cafés que não fazem o controle de maneira correta e não combatem as impurezas.

Qualidade nos cafés certificados

Além das consequências para a saúde, o sabor da bebida pode sofrer alterações, o que prejudica a prazerosa experiência de tomar uma xícara de café. O Programa de autorregulamentação do Selo de Pureza, lançado em 1989, é internacionalmente reconhecido e desde a sua implantação reduziu significativamente o número de cafés impuros ou com algum tipo de adulteração.

Segundo o monitoramento do mercado realizado pela ABIC em 2020, onde são coletados no supermercado cafés de empresas associadas e não associadas, apontou que apenas 1,6% dos produtos de empresas associadas apresentaram irregularidades. A penalidade para as empresas associadas que tiverem seus cafés detectados como impuros são duras, podendo sofrer processos administrativos e até a exclusão do quadro social. Já nas análises realizadas nos cafés sem certificação da ABIC o número de produtos irregulares foi de 19% e todos estes resultados foram comunicados aos MPs e PROCON.

A Associação certifica quanto à pureza mais de 3.400 produtos, e destes 1.063 são certificados quanto à categoria de qualidade. Para o monitoramento a entidade realiza anualmente mais de 5.000 análises, com o objetivo de garantir a pureza e qualidade da bebida nacional. E não é somente o Programa de Qualidade do Café da ABIC que tem atraído atenções, a procura pelos Selos de Certificação de Sustentabilidade  e de Cápsulas também aumentou exponencialmente em 2020.

Tecnologia auxilia no monitoramento de cafés certificados

A ABIC trabalha para garantir a qualidade do café nacional, o que justifica o seu constante investimento em tecnologia para combater o uso indevido dos selos. A intensificação na divulgação doABICAFÉ, aplicativo  que permite aos usuários fazerem uma rápida consulta no momento da compra justamente para saber se o produto que eles pretendem adquirir é certificado e atende os padrões exigidos de pureza e qualidade.

Outra iniciativa da ABIC é a verificação da certificação através do QRCode, onde os Selos e Certificados contam com uma nova versão e passam a ser validados em tempo real, apenas apontando a câmera do celular. Estas  iniciativas visam aperfeiçoar ainda mais o combate do uso indevido dos Selos  de certificação da ABIC, ampliar o monitoramento e garantir cafés puros e de qualidade ao consumidor.

Fique por dentro das novidades da ABIC e leia mais curiosidades sobre o café!

Redação: Usina da Comunicação

Compartilhar:

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *